As mentiras que os homens contam – Luiz Fernando Veríssimo

by Sandra on March 8, 2009

Post image for As mentiras que os homens contam – Luiz Fernando Veríssimo

Como já puderam perceber tem alguns autores que estou sempre colocando aqui, Luíz Fernando Veríssimo é um deles. Seus textos são criativos, engraçados, típicos de uma pessoas inteligente e observadora.

Esse texto nem sei onde consegui, estava no meu computador antigo e veio para esse numa mudança recente.

Vale a pena a leitura.

Enjoy !

Sandra

A aliança

Esta é uma história exemplar, só não está muito claro qual é o exemplo. De qualquer jeito, mantenha-a longe das crianças. Também não tem nada a ver com a crise brasileira, o apartheid, a situação na América Central ou no Oriente Médio ou a grande aventura do homem sobre a Terra. Situa-se no terreno mais baixo das pequenas aflições da classe média. Enfim. Aconteceu com um amigo meu. Fictício, claro.

Ele estava voltando para casa como fazia, com fidelidade rotineira, todos os dias à mesma hora. Um homem dos seus 40 anos, naquela idade em que já sabe que nunca será o dono de um cassino em Samarkand, com diamantes nos dentes, mas ainda pode esperar algumas surpresas da vida, como ganhar na loto ou furar-lhe um pneu. Furou-lhe um pneu. Com dificuldade ele encostou o carro no meio-fio e preparou-se para a batalha contra o macaco, não um dos grandes macacos que o desafiavam no jângal dos seus sonhos de infância, mas o macaco do seu carro tamanho médio, que provavelmente não funcionaria, resignação e reticências… Conseguiu fazer o macaco funcionar, ergueu o carro, trocou o pneu e já estava fechando o porta-malas quando a sua aliança escorregou pelo dedo sujo de óleo e caiu no chão. Ele deu um passo para pegar a aliança do asfalto, mas sem querer a chutou. A aliança bateu na roda de um carro que passava e voou para um bueiro. Onde desapareceu diante dos seus olhos, nos quais ele custou a acreditar. Limpou as mãos o melhor que pôde, entrou no carro e seguiu para casa. Começou a pensar no que diria para a mulher. Imaginou a cena. Ele entrando em casa e respondendo às perguntas da mulher antes de ela fazê-las.

— Você não sabe o que me aconteceu!

— O quê?

— Uma coisa incrível.

— O quê?

— Contando ninguém acredita.

— Conta!

— Você não nota nada de diferente em mim? Não está faltando nada?

— Não.

— Olhe.

E ele mostraria o dedo da aliança, sem a aliança.

— O que aconteceu?

E ele contaria. Tudo, exatamente como acontecera. O macaco. O óleo. A aliança no asfalto. O chute involuntário. E a aliança voando para o bueiro e desaparecendo.

— Que coisa – diria a mulher, calmamente.

— Não é difícil de acreditar?

— Não. É perfeitamente possível.

— Pois é. Eu…

— SEU CRETINO!

— Meu bem…

— Está me achando com cara de boba? De palhaça? Eu sei o que aconteceu com essa aliança. Você tirou do dedo para namorar. É ou não é? Para fazer um programa. Chega em casa a esta hora e ainda tem a cara-de-pau de inventar uma história em que só um imbecil acreditaria.

— Mas, meu bem…

— Eu sei onde está essa aliança. Perdida no tapete felpudo de algum motel. Dentro do ralo de alguma banheira redonda. Seu sem-vergonha!

E ela sairia de casa, com as crianças, sem querer ouvir explicações. Ele chegou em casa sem dizer nada. Por que o atraso? Muito trânsito. Por que essa cara? Nada, nada. E, finalmente:

— Que fim levou a sua aliança? E ele disse:

— Tirei para namorar. Para fazer um programa. E perdi no motel. Pronto. Não tenho desculpas. Se você quiser encerrar nosso casamento agora, eu compreenderei.

Ela fez cara de choro. Depois correu para o quarto e bateu com a porta. Dez minutos depois reapareceu. Disse que aquilo significava uma crise no casamento deles, mas que eles, com bom-senso, a venceriam.

— O mais importante é que você não mentiu pra mim.

E foi tratar do jantar.

(Do livro “As mentiras que os homens contam)
Luiz Fernando Verissimo

Be Sociable, Share!

{ 8 comments… read them below or add one }

maysa April 21, 2010 at 11:25 am

muitoo boom
adoreei esse texto!!!

Reply

Cloez April 21, 2010 at 12:25 pm

Oi Maysa, obrigada pelo comentário, volte sempre !
Bs :)
Sandra

Reply

Julia March 22, 2011 at 11:12 am

Olá!
Adorei o texto!
Preciso de mais crônicas sobre casamentos, amor e brigas de casais para uma peça que vou fazer…
Será que vc n pode me ajudar de qualquer modo?? Ficarei muito agradecida pois pesquisei no google mas n achei nada melhor que seu texto…

Brigada…

Reply

Cloez March 22, 2011 at 8:19 pm
ana April 11, 2011 at 12:33 pm

Se gostou deste texto, procure ler “Um dia de merda”, você vai adorar.

Reply

Cloez April 11, 2011 at 2:36 pm

Oi Ana, já li sim, muito bom !
bjs
Sandra

Reply

Max April 6, 2013 at 6:39 am

Muito legal o texto …^^
Veríssimo sempre me surpreende com a sua criatividade infinita …. rs
Mas que o texto é bom, isso nunca surpreende né … rsrsrs

Reply

Cloez April 7, 2013 at 4:33 pm

Com certeza !
bjs
Sandra

Reply

Leave a Comment

Previous post:

Next post: